sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Obra de arte





No meu estúdio de arte,
Uma ilusão eu criei.
Da vida fazia parte,
Como sempre eu desejei.

Caprichei nas cores belas,
Conquistei os seus encantos.
A mulher suprema era ela,
Me cobria por todos os  cantos.

No pensamento não havia,
Em nenhum momento sequer.
A mais ínfima fantasia,
Por uma outra mulher.

De minha obra fiz encanto,
Uma única razão de viver.
O coração era puro canto,
Dava alegria de ver.

Não me passava a idéia,
De um dia lhe perder.
Foi colhida com uma bateia,
Pedra rica de se ter.

Mas este dia chegou,
E tudo a volta ruiu.
A obra bela evaporou,
Foi assim que ela partiu.

Em uma hora dolente,
Fez-se  enfim a solidão.
O belo ficou doente,
Lastimou o coração.

A obra está exposta,
Em uma outra galeria.
Talvez como resposta,
A um sonho de fantasia.

Um comentário:

Um certo vestido azul disse...

Eita, que mulher essa mais sortuda!

Ser a Musa desse Poeta não é pra qualquer uma,

Mais uma vez, meus aplausos pra sua obra!