terça-feira, 17 de abril de 2012

Beija-flor

Voa beija-flor,
E segue o teu caminho.
Já levou o meu amor,
E me deixou aqui sozinho.

Voa colibri,
Já que este é o teu prazer.
Vou tentar descobrir,
Um novo meio de viver.

Seja beija-flor,
Ou seja colibri,
Não se vá por favor,
Me levante que eu caí.

Possuis todas as cores,
És pequeno, delicado.
Desperta tantos amores
E os deixa ao acaso.

Bate rápido suas asas,
Para ninguém te alcançar.
Desconfio que por onde passas,
Ficam flores a murchar.

Nosso prazer, enquanto flor,
É te dar néctar puro.
È o prazer do amor,
De se dar até no escuro.

Pequeno passarinho agitado,
Voa, voa sem parar.
Eu que sou flor, fico parado,
Esperando você voltar.

2 comentários:

brisonmattos disse...

Que lindoooooooooooo!Amei de paixão.

Aninha disse...

Receba uma salva de Palmas, por esse poema. É o mais bonito de todos que li até agora. Parabéns.