quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Renascendo

Depois de muito sentir
Depois de muito chorar
Agora voltei a sorrir
E na vida acreditar.

Este órgão é danado,
Meu coração não tem jeito.
Oh..., menino levado,
Este que carrego no peito.

Ele brinca comigo,
Me testa, prá ver onde vou chegar.
Ele é meu melhor amigo,
E faz isto para me lembrar.

Que a vida é muito curta
Para tantos aborrecimentos.
Se solta, desgruda,
Não viva dos desalentos.

E aqui estamos nós,
Mais uma vez a vibrar.
Desatado alguns nós
Esperando outros que venham a dar.

De tropeção em tropeção,
De cura em cura.
Vamos, eu e meu coração,
Driblando a amargura.

Ninguém sabe o que se passa,
Só ele e eu sabemos o que se diz.
A nossa vida de trapaça,
Tentamos enganando Nyx.

O sol surge de novo.
Um novo dia que nasce.
Estamos no meio do povo,
Passamos por outros “quase.”

Agora é continuar
A sorrir... e a amar.
O que vivi não lembrar,
E me deitar em novo sonhar.

Nenhum comentário: