quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Amores






Amores que vem
Amores que vão
Amores que tem
E mudam de mão

Amor sem destino
Amor que não pega
Amor de menino
que vira refrega

amor escaldante
amor que gruda
amor de amante
que briga na rua

amor envolvente
amor encarnado
amor adolescente
que vive grudado

amor inocente
amor de irmão
amor tão carente
que vive de não

amores de guerra
amores de paz
amores que não quebra
nem nunca, jamais

amor que fadiga
amor de paixão
amor das antigas
com flores na mão

amores são belos
amores são caros
amores são elos
que fecham o ralo.

Um comentário:

brisonmattos disse...

essa última frase, desse poema tão lindo, foi de matar, não?