quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Seres distintos





Que poesia há na rosa,
Ou no cactos e seu espinho.
O que há a ser dita em prosa,
Ou sob uma taça de vinho.

O que há para ser dita da chuva,
Ou sob o sol escaldante.
O que há para ser visto na nuvem,
Ou em um olhar radiante.

O que há para ser dito das flores,
E suas cores variadas.
O que há para ser dito das dores,
Que deixam as almas arriadas.

Nada de novo há de ser dito,
A não ser pela visão diferente.
A visão de quem não tenha visto,
Os problemas como a gente.

Os sonhadores são assim,
olham tudo de outro ângulo.
enxergam a poesia enfim,
sem nenhum tipo de preâmbulo.

Os olhos simplesmente batem,
e enxergam o que não se vê.
As letras logo combatem,
E no papel querem ser.

Descrever o impossível,
De uma maneira sublime.
Tornar-se ser invencível,
Romper de vez com o regime.

Este cara é um louco,
Que não vive no mundo alheio.
Da vida vive tão pouco,
Pois ela é cheia de anseio.

Eu sou um destes seres,
Que corre atrás do sonho.
Preciso me abastecer,
Ou meu mundo fica medonho.

Nenhum comentário: