quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Recordações






Recordo, ainda tão perto,
de tudo que passou aqui.
Estava tudo tão certo,
não era para o certo fugir.

A lembrança suave,
de um belo fim de tarde.
Em mim quase não cabe,
esta fria esperança que arde.

Soprou fria a noite morta,
congelando tudo aqui.
Alguém bate na porta,
sou eu, querendo fugir.

Joguei minhas tralhas no ombro,
e corri pela estrada afora.
Era tamanho o assombro,
que corri para ir embora.

Como pobre menino acreditei,
que poderia um dia conseguir.
Hoje mais velho eu sei,
que este dia não há de vir.

Nenhum comentário: