sábado, 16 de junho de 2012

Era o fim...

Era o fim . . .
O meu tempo havia passado.
Mas como terminar assim?
Sem me deixar ter falado.

Se não era o namorado ideal,
Poderias ter me avisado.
Apunhalar de forma brutal,
Não mata o que foi consumado.

Pela morte de uma flor,
Um jardim não fica acabado.
Pode ficar com menos cor,
Mas continua um jardim enfeitado.

Novas flores nascerão,
Neste jardim que tenho no peito.
Outras flores morrerão,
Não eram amores-perfeitos.

Um comentário:

brisonmattos disse...

vc disse era o fim...e eu digo era e não é mais...porque eu conheço a flor do amor imperfeito.