segunda-feira, 23 de novembro de 2015

O poeta morreu






O poeta morreu
Fim mais que anunciado
Deixou de ser eu
Estava por fim acabado

Seu coração secou
Sem mais nada a quem dizer
Este fim se apresentou
Bastava enfim desdizer

Mas como isto não houve
Se entregou de vez
Sua voz já não se ouve
Pertence a insensatez

Fim do poeta sonhador
Que sonhava com mundo encantado
Viverá na eterna dor
De não ter o sonho alcançado

Suas palavras ficarão
Como estorvo anunciado
Secou seu coração
Morrerá ser ter deitado


3 comentários:

brisonmattos disse...

Eita!

brisonmattos disse...

Para de escrever merda e volta a fazer poesia, que eu sei que ai tem um belo coração.

brisonmattos disse...

Poeta como você não morre. Pra mim não vai morrer nunca.