sábado, 7 de novembro de 2015

Vieste







Vieste como bando de fadas
Nas nuvens andando
Quebrando as palavras
E sonhos me dando

Vieste com luz na montanha
Como berço no ninho
Com alma tamanha
Em um corpo de passarinho

Vieste como única esperança
Como fonte de luz
Com sorriso de criança
E mulher que seduz

Vieste, e foi-se ligeiro
Como brisa matinal
Amor bem trigueiro
Como flor outonal

Vieste e me levaste
Somente a carne deixando
Ficou só um traste
e um  corpo flutuando

2 comentários:

brisonmattos disse...

Nossa que lindo!Sou apaixonada pelo seu mundo...E queria tanto viver nele na real.

brisonmattos disse...

E nunca vou crer nessa coisa de "traste"