segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Fim





Minha carne rasgaste
Como fera indomada
Em meio a um embate
De almas sufocadas

Gota a gota esgotaste
O que havia no coração
Tornando-o mais um traste
Sem mais nenhuma emoção

Trazias nas mãos rosas rubras
Que com carinho me ofertastes
Ainda que com mil beijos me cubras
Não curará deste desastre

Enfeitado de ternura e solidão
Deixaste-me em um canto
Malfadado coração
Se entregou a mão da razão

Trazias contigo auroras
Que enfeitavam meu dia
Perguntas, por quê choras?
Pelo fim da fantasia.

Nenhum comentário: