sexta-feira, 9 de março de 2012

Só as Cinzas

No inicio foi muito difícil,
do fogo querer pegar,
mas isto foi só no principio
logo, logo começou a queimar.

Bem depressa foi queimando,
consumindo o que havia.
E nós no fogo entrando,
Nos queimando com alegria.

Sem pensar nas conseqüências,
Nosso fogo era só prazer,
Mas tudo tem sua vivencia
E o fogo queimou de doer.

Depois do fogo extinto,
Ainda restaram as brasas.
O calor pouco era bem-vindo,
Pois o frio afastava.

Logo só cinzas sobraram,
Acabando todo o resto.
O fogo que tanto amavam,
Passou a ser parte de um gesto.

Sem lenha para alimentar,
a nossa fogueira.
Começamos a nos afastar,
Voltando para as nossas geleiras.

No corpo ficou a marca,
Daquilo que foi queimado.
Quanto mais o tempo passa,
Mais a marca fica de lado.

Escondida entre sombras,
Como troféu do que passou.
Hoje não mais assombra,
A quem o fogo ateou.

Nenhum comentário: