sábado, 17 de março de 2012

O Outono

Aos poucos começa a morrer
O que de belo havia.
As cores irão desaparecer
O preto e branco principia.

O silencio começa a se impor
Como que a anunciar.
Acabou o tempo de calor
Logo o inverno irá chegar.

As verdes folhas caem
As belas flores morrem.
Embora elas nada falem
De muito medo se corroem.

Não queremos o inverno
Por menor tempo que seja.
Afinal ele é um inferno
Que a alma não deseja.

Ao outono mal resolvido
Segue-se um inverno malquisto.
Eu não sei nem como tenho vivido
Ou se viverei depois disto.

Um comentário:

brisonmattos disse...

gosto dos seus versos inspiradores, mas essa ultima estrofe ficou nada a ver. bom dia.