sábado, 28 de maio de 2011

És Tu

Tu és como poesia,
Que nasce do vazio.
És como flor do deserto,
Que brota no estio

Tu és como oração divina,
Que nos enche de esperança.
És inocência bem-vinda,
No sorriso de criança.

Tu és a que ampara,
A mão que auxilia.
És olhar que desarma,
Voz que alivia.

Tu és nuvem de chuva,
Que surge no céu.
És tendência maluca,
Que acende o fogaréu.

Tu és olhar de rapina,
Que a tudo devora.
És decência menina,
A quem tudo apavora.

Tu és anseio passageiro,
Que mora no coração.
És um mundo devaneio,
Repleto de emoção.

Nenhum comentário: