sábado, 18 de fevereiro de 2012

Perdido.

Perdido em melancolia,
Vagueio sem fim.
Seja noite ou seja dia,
Ando sem uma parte de mim.

A necessária solidão,
Habita meu mundo próprio.
Não existe mais razão,
Que me tire deste ócio.

Percorro interiores,
Em busca de teu ser.
Só encontro estertores,
Deste seu desaparecer.

O encontro da verdade,
Me leva ao pó.
E a esta agressividade,
Me derruba sem dó.

Desiludido,
Sem ter em que acreditar.
Cometo suicídio,
Com o que queria guardar.

Condenado a noites frias,
No silencio sou envolvido.
Deitado em agonias,
Fecho o peito ferido.

A restrição de sonhos,
Faz parte do viver.
Por mais que pareça medonho,
Isto vai acontecer.

Nenhum comentário: