segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Frio como espada






Não pensei que amaria,
Uma pessoa assim, perdidamente.
Como se vestido de fantasia,
Em um mundo diferente.

Quando me lembro do sabor,
que tinha esta tua boca linda.
Toma-me o corpo um calor,
Que parece fogueira infinda.

A leveza dos teus passos,
Soam como bailarinas.
Dançando em mundos castos,
Com vestidos de menina.

Frio como lâmina de espada,
É o fim que vem chegando.
Sem você não há mais nada,
Só o trágico me tomando.

E no som do silêncio,
Que só eu  a noite ouço.
Começa de novo o incêndio,
E todo seu alvoroço.

Um comentário:

brisonmattos disse...

Que Deus te conserve sempre com inspiração e cheia de vida.