sábado, 6 de julho de 2013

Pedidos



Pedi muito ao vento,
Para ao longe levar.
Um pouco do tormento,
Que está a me esganar.

O vento não levou,
Pois disse ser muito pesado.
Mas me aconselhou,
O procurar o mar enraivado.

Eu falei com o mar,
E lhe fiz o mesmo pedido.
Se podia ao longe levar,
O que a mim tem corroído.

O mar nem me olhou,
Ele nem quis saber.
Ao longe ele gritou,
Quem mandou você se meter.

Pedi a terra então,
Para enterrar este passado.
Ela olhou com compaixão,
E disse; não pode ser sepultado.

O que floresce todo dia,
No coração embalado.
Pode até ser fantasia,
Mas é muito desejado.

Convivas com este destino,
Da melhor maneira possível.
E eu sempre lhe previno,
O amor é impossível.

Não tem vento, nem tem mar,
Que carregue mundo afora.
Um amor que quer amar,
E por dentro te devora.



Um comentário:

brisonmattos disse...

Que beleza!muito bonito o conjuntinho. rs