sexta-feira, 12 de julho de 2013

Não prometo







Não lhe prometo encanto,
Nem lhe prometo voar.
Prometo menos pranto,
E um eterno gostar.

Não lhe prometo saídas,
Nem lhe prometo soluções.
Prometo amparar as caídas,
Causadas pelas ilusões.

Não lhe prometo flores,
Nem lhe prometo canto.
Prometo afagar as dores,
Que nos machucam tanto.

Não lhe prometo calor,
e nem o fim do castigo.
Prometo muito amor,
E um eterno ombro amigo.

Não lhe prometo promessas,
Nem ao menos ilusão.
Prometo lhe dar o que me resta,
De todo meu coração

2 comentários:

brisonmattos disse...

que suas promessas poéticas sejam realizadas.

Um Certo Vestido Azul disse...

um pouquinho de calor,
talvez um gole de vinho,
um peito bem caloroso,
ao invés de um ombro amigo,
um beijo, daqueles
era só o que eu queria...
nessa noite tão fria