terça-feira, 15 de maio de 2012

Levaste

Tudo começou aos poucos,
Assim sem nenhum destino.
Depois sumiu feito louco,
Deixando só um menino.

Levou meu sorriso.
Levou o meu prazer.
O que é que eu faço com isso,
Que só faz desaparecer.

É como tentar segurar,
água com as mãos.
Só faz um pouco molhar,
para lembrar da satisfação.

A brincadeira,
foi longe demais.
Cai da ribanceira,
me senti em funerais.

Este amor era um risco,
E nele vou me perder.
Ele corre como corisco,
Para não se deixar prender.

Agora é tarde,
Eu já me enredei.
Levaste a minha parte,
E do resto eu não sei.


Um comentário:

brisonmattos disse...

da parte que eu não sei
ficou a dúvida do que não aconteceu
Hoje eu quero vida nova...pois bem tentei...
chega de viver com a ilusão do que não pode ser meu