segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Esquecendo

Há dias em que a alma
se põe de joelhas a chorar.
Das vontades saídas da vida,
E que nunca mais vão voltar.

Há os pensamentos,
as idéias ainda resistem.
Insistem os novos momentos,
Naquilo que não mais existe.

No contorno das alianças,
No andar do desafio.
No entorno da perseverança,
Na imensidão do vazio.

Posto que um não sei o quê,
Toma conta de todo ar.
Para que brigar, eu e você,
é melhor deixar tudo prá lá.

Ainda que seja breve
O pequeno afastamento
Deve-se voltar mais leve,
Do escolhido isolamento.

Cheiro de mato,
Banho de cachoeira.
No corpo e na alma dão um trato
Renova uma vida inteira.

E por preciosos momentos,
Os problemas são esquecidos.
Ali todo tormento,
Se encontra adormecido.



Um comentário:

brisonmattos disse...

sutilmente...la vai uma chalana, bem longe se vai...oh chalana sem querer...tu aumentas a minha dor...nessas águas tão serenas vai levando o meu amor