terça-feira, 4 de maio de 2010

Andarilho

Sinto que já é chegada a hora
De nova estrada trilhar.
Aqui nestas paragens,
já não posso ficar.

Já não sou tão bem-vindo,
Então é chegada a hora
Estou indo.
Deixando a linda senhora.

Foi ótimo aqui estar.
Tinha tudo para certo dar.
Tinha paz, tinha harmonia.
Tinha sonho e muita fantasia.

Mas o tempo passa.
O encanto se esvai
E antes que ocorra desgraça
O andarilho se vai.

Fica saudade,
vai o amor.
Fica verdade,
vai o fervor.

Não pertences a mim,
Mas ao mundo.
Fico triste assim
E me vou moribundo.

Tanto desperdício,
Tanta emoção
Tanto sacrifício
Tanta solidão.

A hora é passada,
O tempo, se foi já.
Já pego eu a estrada
E começo meu caminhar.

Só devo olhar para frente
Para trás devo deixar
Um tanto de querida gente
Que nem se pôs a chorar.

Coloco na mala o amor,
Dobrado com todo carinho.
Acomoda a minha dor.
Levo-os pelo caminho.

Junto com o sorriso da tua amada
Lembranças, recordações irão também.
De mais um sonho vivido
Sempre pensando em ir além.

Nos caminhos do coração
Quisera não ter seguido.
Deste mar de ilusão
Espero ter sobrevivido.

Pudera ficar no cais
Ancorado para sempre
Sem mexer jamais
Naquilo que se sente.

Parte! A hora é chegada.
Parte andando eremita.
Segues a nova caminhada,
Leva contigo a dor e uma lágrima caída.

Um comentário:

Mulher na Polícia disse...

Mais um coração "younger" partido... né Older...

tsic, tsic, tsic...

Tadinha...

Beijos, malvado!