quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Você me pediu.

Você me pediu
para falar de flores,
de cores,
e lembrei dos amores
e das suas dores.

Você me pediu
para falar de crianças,
de esperanças,
e lembrei das tempestades,
fortes,
em que não há bonança.

Você me pede para falar
de sol, de mar,
e me lembrei de como é triste,
ficar sem amar.

Você me lembra de animais,
de coisas mais banais,
e eu me lembro de jaula,
de prisão,
de encarceramento do coração.

Desculpe, amiga querida,
se em meu peito hoje,
só há ferida,
mas o tempo há de curar,
nisso tenho de acreditar,
e a vida prosseguir,
cantar, sorrir,
mesmo com o peito a sangrar,
mesmo com a vida a ruir.

9 comentários:

brisonmattos disse...

Faça como eu...ou não faça mas me leia com atenção. Posso parecer rancorosa mas não sou...posso parecer má...ma não sou...posso parecer egoista...e até sou um pouquinho....posso parecer triste mas não sou. ÀS vezes o que parecemos ser confunde as pessoas...afastam-nas da gente e nem por isso temos viver por elas. Vivamos por nós e por aquilo que acreditamos. Tente não acreditar tanto na maldade do mundo embora ela exista. Tente esquecer e esqueça (estou tentando) as coisas ruins que você foi vítima. Lembre só das boas. Não expresse nem em papel essas dores porque fazendo assim, estarás lembrando novamente do acontecido. Eu jogo tudo fora. Posso estar jogando fora algumas coisas que vou me arrepender lá na frente mas só vou saber lá na frente. É errando que estou aprendendo a acertar... E uma coisa nunca ninguém vai tirar de mim que é a fé que eu tenho em mim mesma e em todas as pessoas que me rodeiam. Acredito no homem e na sua incrivel capacidade de reverter um momento ruim em contemplação do universo. Morro acreditando nas pessoas...e isso é que me faz mais forte.Esqueça as feridas.Sorria. Você está sendo filmado pelo Criador.Ele vai adorar saber que vc transborda de alegria. Tente.Beijo

Older disse...

Cara Brison, apesar de não saber quem é vc, além de ser uma visitante de meu blog, das coisas que escrevo, obrigado pelas palavras. As coisas que posto aqui quase nunca aconteceram comigo ou por situações que passei, simplesmente as palavras brotam e nascem no papel, e também as que eu passei, quando aqui posto, já aconteceram a tempos, nada é recente, então as feridas, estão cicatrizadas, algumas as vezes sangram um pouquinho, mas nada que uma leve compressão não estanque o sangue. O Criador sempre estará nos filmando, mesmo que fiquemos no oculto, para Ele nada é oculto.
Então levemos a vida.
Bjs

Wanderley Elian Lima disse...

Amigo Older
O tempo se encarrega de curar todas as feridas e nos deixar prontos pra novas emoções.
Um abraço

Jou Jou Balangandã disse...

Tem dia que estamos assim, fechados pra balanço, nada adianta ninguém pedir, pois nossa vozinha interna não escuta.
O bom é que tudo passa!
Bjous

Clecilene Carvalho disse...

Que lindo comentário que você fez no meu blog!

Acho que ele cabe ao seu poema também, veja: "É no outono que as árvores se esvaziam de sua folhas para aguentar o rigoroso inverno e então renascerem gloriosas na primavera. Este inverno passa."

Então a ferida no coração cicatriza e o peito para de sengrar e se renasce para um novo amor de muitas alegrias.

Obrigada pela visita e volte sempre.

Sonhadora disse...

Lindissimos poemas ,passei e vou seguir, se me dá licença,gostei muito.

Sonhadora

Regina disse...

Amigo Older,

Momentos... momentos... a vida é feita de momentos e o tempo sempre é o melhor remédio para todas as dores...

Beijos!!

Majoli disse...

Ainda bem que o tempo trata de curar todas as feridas meu amigo.

Beijos.

Deusa Odoyá disse...

Olá meu lindo amigo Older.
A vida é feita de momentos e cabe a nós vive-los intensamente.
Nem tudo que escrevo em meu blog, existe, ou passou em minha vida.
Sou como vc, e os poetas.
Escrevemos o que vem dentro de nossa alma, com sentimnetos , amor, saudades, vivendo ou não.
Desejo hoje para vc:
As mais lindas flores, o mais aberto sorriso
O mais carinhoso dos abraços.
Que a felicidade tranborde em sua vida.
Beijinhos doces, meu amigo.
Regina Coeli.