terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Fonte

Amanhã,
este chão que tanto pisei
pesará sobre mim,
e então terei conseguido
a eterna liberdade.
Com que custo?
Com o custo da vida.
Com o custo de meus sonhos.
Com o custo de me manter fiel
as minhas idéias.
Não me importa mais
o que dizem.
Não me importa mais
o que pensam.
A mim,
só importa o que quero,
o que sonho,
o que desejo.
O resto,
as migalhas,
podem ficar com elas,
podem brigar por elas,
a mim, jamais terão.
E assim,
quando o tempo passar
e as migalhas acabarem
olhem a volta
e procurem outra fonte,
a minha, já se terá ido
para toda a eternidade.

2 comentários:

brisonmattos disse...

ai cruz credo! Não gostei desse texto.Parece texto de gente que se acabou. Que não tem mais nada pra oferecer ...que não mais interage com o mundo.

Gisa disse...

Ei, fiquei alguns dias fora e você fica com tanta saudades assim ? hehehe (brincadeira)

... intenso seu texto, não seja tão cruel conosco heim !