quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Empatia

Eu queria,
queria e pedia,
pedia,
e você não me ouvia.

Continuei vivendo, na fantasia,
de que um dia,
você ainda ouviria
o que meu coração dizia.

Você não ouvia,
e partia.
Deixando a euforia
da clausura da abadia.

E nesta agonia
fiquei em afasia.
Se foi minha alegria.
Preciso de alforria.

E em plena apatia,
em total analgesia,
só via que você ia,
só ia.

Recorri a astrologia,
busquei na confraria,
até na cromoterapia,
e nada resolvia.

De nada adiantou a gritaria,
você só partia.
Me levou uma fatia,
como grande senhoria.

Empatia,
só isto eu queria,
para ver se você sentiria
o que causa a tua constante
saída fugidia.

3 comentários:

Cris França disse...

Older,

um lindo poema cheio de rimas, muito criativo.
Que haja empatia em sua vida por aqueles que aprecias.
Seja bem vindo o Canto de Contar Contos e ao Cinema Paradiso! abraços

brisonmattos disse...

eu também queria, porque queria ser feliz eternamente. Descobri que essa felicidade é intermitente...ora mais intensa...ora sonsa que parece que não acaba.
Se voce queria porque queria se mostrar pra alguém e ela não te viu...vai ver foi o modo que vc usou para se mostrar que ela não gostou. Tem certeza que vc foi transparente> Acho que só assim consigo ver uma pessoa e ser vista tb por quem eu quero e desejo.Beijocas poéticas para o dono dessa poesia.

Regina disse...

Amigo Older,

Muitas vezes queremos e desejamos coisas ou pessoas erradas!!

Pense sempre que a perda maior é de quem nos perde e, não, de quem perdemos!...

Acima de tudo, nossa luz é que deve brilhar primeiro!!

Beijo!!

(PS: Obrigada por visitar meus "cantinhos"!! Imensamente feliz e honrada...)