terça-feira, 7 de outubro de 2014

Rotina





Acordo cedo,
já pensando no que fazer.
Vou enfrentar sem medo,
o que vier a acontecer.

A  empregada logo chega,
do seu sarcófago saindo.
Sua voz grossa troveja,
e eu digo: Já tô indo.

E a obra no banheiro,
que nunca que acaba.
Discuto com o pedreiro,
sou  o homem desta casa.

As esfihas são cinqüenta,
uma bagunça no outro quarto.
Assim ninguém agüenta,
cada hora parece  um parto.

É tanto jeca que aturo,
Que nem sabem o que comer.
É arroz e feijão, “disconjuro”,
Vão aprender a escolher.

O transito está lento,
tem gente que não sabe guiar.
Anda logo seu fuinha,
eu estou no celular.

Tem espinho que espeta,
e cachorro que assusta.
A “hidro”  me espera,
para relaxar desta labuta.

A tarde o som que chega,
é suave, de um pianista.
Minha mente logo veleja,
moro ao lado de um artista.

A noite uma taça me acompanha,
de um vinho que tanto gosto.
Na cama um livro me apanha,
dormindo sobre ele encosto.

E amanhã é tudo igual,
tudo de novo pela frente.
Isto tudo é normal,
é a minha vida gente.

Nenhum comentário: