domingo, 24 de março de 2013

Querendo





Não quero o lamento
Dos sonhos aprisionados
Quero ouvir o silencio
No amor encontrado

Não quero rasgar as teias
Pelo destino traçado
Quero sentir nas veias
O calor incontrolado

Não quero lembrança apagada
Pela mágoa sombria
Quero muita luz na estrada
E não lápide fria

Não quero dormir
no inferno frio da desilusão
Quero me deixar cair
Nos braços de um coração

Não quero asas cansadas
De tanto vôo em vão
Quero sepultar as palavras
Com minhas próprias mãos

Não quero escrever   
Sem alguma rima minha
Quero  poder te ver
Sempre como minha rainha

Nenhum comentário: