quarta-feira, 6 de março de 2013

Minha Amiga


Minha amiga vou lhe dizer,
Viver a intensa ilusão.
É difícil de entender,
E esquecer  a sedução.

O coração é quem me guia,
E nada posso fazer.
Faço força, boto figa,
Para não entristecer.

Eu confesso que vivi,
Uma intensa juventude.
Me entreguei e possui,
Vivi na maior das plenitude.

Da libido inconseqüente,
A apatia que maltrata.
É assim tão aparente,
Que as poucos vai, e mata.

Sou que quem me conforta,
E não percebo o evidente.
Restos de uma vida torta,
Me deixam muito carente.

Minha amiga me desculpe,
Pelo desabafo engasgado.
Entre os dois não há quem culpe,
Pelo fim anunciado.


Um comentário:

brisonmattos disse...

Como "a felicidade é um bem que se multiplica ao ser dividido", eu sempre vou dividir a minha com você...Nas horas boas e ruins...Porque eu acho que vale a pena. BEIJOS em maiúsculo.