domingo, 2 de dezembro de 2012

Transmudado

Pelas sombras já andei,
Agora não ando mais.
Muito a outros me dediquei,
Sem receber o que apraz.

A cama, sempre fria,
Me fazia a noite delirar.
Pela falta da companhia,
Que tanto me fez sonhar.

Passava a noite em claro,
Vendo o lento tempo passar.
Via meus sonhos pelo ralo
Indo embora, se esgotar.

Um dia acordei,
Deste pesadelo maluco.
A mim me dediquei,
Vou colhendo novos frutos.

Provando novos sabores,

Que a vida me apresenta.
Renovando meus valores,
Vou saindo da placenta.

Como em um nascer,
Tudo novo sempre dói.
Vou ter de aprender,
Como a vida me onstrói.

Moldando novo o ser,
Transformando, como barro.
Até me reconhecer,
Transmutado como vaso.

2 comentários:

brisonmattos disse...

faz parte o renascer
e um mundo novo encontrar
na vida sempre crescer
E eu de coração, a você sempre amar

e cantando...
"Um novo tempo, apesar dos perigos"
http://www.youtube.com/watch?v=KidRE4WDqLc

Bom domingo.

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu querido amigo

Passando para te ler e agradecer a visita carinhosa, gosto de te ver por lá.

Um beijinho
Sonhadora