terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Na casa

Na casa serena,
A vida acena.
Se torna pequena,
Que pena, que pena.

Na casa vazia,
A vida que ia,
Se torna tão fria,
Na casa vazia.

Na casa oca,
Só resta pouca,
Da vida tão louca,
E da voz quase rouca.

Na casa abandonada,
Não resta mais nada,
Da vida passada,
Da vida deixada.

Na casa de festa,
Bem pouco resta,
Somente uma fresta,
Que o vento refresca.

Na casa que era,
A vida espera,
Rodar a esfera,
Pra nova quimera.

Na casa fechada,
É só de fachada,
A vida mostrada,
No fim da estrada.

Um comentário:

brisonmattos disse...

A casa tem amor sim...porque a poesia é muito das lindonas.