segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Rasgando Sonhos

Meus sonhos rasgo,
E espalho no chão.
Na boca vem o engasgo,
De reviver a emoção.

A cada pedaço largado,
Levado pelo vento.
Eu um pouco me mato,
Destruindo o que tem dentro.

É preciso fazer,
A faxina da emoção.
Por mais que possa doer,
É o que manda a razão.

Coloridos em aquarelas,
Não resistiram a chuva.
Viver com estas seqüelas,
É viver preso na gruta.

Que os levem os ventos,
Pedaço por pedaço.
Talvez em pensamentos
Eles tenham compasso.

Rasgado os sonhos de vez,
Não dá mais para colar.
Foi o que se fez,
Neste breve afastar.

2 comentários:

Majoli disse...

Older, sem palavras...só sentindo a emoção que me invadiu.
Assino embaixo.

Dói por demais saber que nossos sonhos foram rasgados, que não tem mais como os colar.

Beijos meu querido amigo.

Majoli disse...

Older, amei por demais a sua colaboração lá no rabiscos, ficou linda e vou postá-la, claro com os devidos créditos...complementando os meus versos.
Brigadinha, viu querido?
Beijos de uma deliciosa terça pra você.