quinta-feira, 25 de abril de 2013

Palavra





Sou a palavra louca,
No momento em que me falo.
Morro da boca, rouca,
No instante que me calo.

Sou a palavra fria,
Que  adormece quando quer.
Não sou mais da boca vazia,
Quando não falo de uma mulher.

Sou a palavra riste,
Quando na chuva eu choro.
Sou a palavra triste,
Quando a ti eu imploro.

Sou a palavra serena,
Na noite de cheia lua.
Sou a palavra pequena,
Despejada na orelha tua.

Sou a palavra morrida,
Quando a ti  não mais eu vejo.
Me torno palavra caída,
Aquela, que era desejo.

Sou a palavra encolhida,
Por força de um destino.
Era a palavra escolhida,
Dita por um menino.

Um comentário:

brisonmattos disse...

o importante é que você seja poesia...Mesmo que só em palavras.Bom
dia.