sábado, 27 de abril de 2013

Mentiras





No papel amassado,
Vai um abraço perdido.
Na lembrança do passado,
Foi o beijo partido.

Na memória varrida,
Pelo vendaval da razão.
Fica o gosto da partida,
Do fim de uma ilusão.

Na sensação de primor,
De um tempo irreal.
Sobrou o gosto da flor,
Espalhada como enxoval.

Como bola de cristal,
Brilha no céu a lua.
Testemunha do funeral,
Que na vida acentua.

Amanhã ao certo direi,
Nunca mais eu te desejo.
Será mais uma mentira, eu sei,
Afinal por este amor rastejo.

Nenhum comentário: