quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Uma certa moça






Um dia encontrei,
Em um caminho da vida.
Uma moça, estranhei,
O quanto ela era bem-vinda.

Um sorriso encantador,
Parecia enfeitiçar.
Exala tanto amor,
Que chegava a inebriar.

Aos pouco fui deixando,
Este encontro acontecer.
Sem querer fui me enredando,
Sem ao menos perceber.

E a moça tão bonita,
Me tomava um pouco mais.
Já era parte da vida,
O resto ficou para trás.

Foi então que percebi,
Que a moça tão bonita.
Comigo não podia ir,
Pois já tinha outra vida.

Viver na fragilidade,
É pra quem gosta de emoção.
Dividir uma saudade,
É demais pro coração.

E a moça tão bonita,
Seu caminho foi seguir.
E a sobra de minha vida,
Acabara de ruir.

Hoje junto cacos,
Cada um uma lembrança.
Vivo só em um barraco,
Chorando como criança.

4 comentários:

Renata Boechat disse...

O que não faz uma certa moça no coração de um homem...

brisonmattos disse...

Tem pessoa que tem o dom de deixar a gente, mais triste que alegre...Para esses casos, o afastamento é o remédio.
Não chore por leite derrado.Não adianta.

brisonmattos disse...

derramado.

brisonmattos disse...

também vivo só numa casinha
Onde tantos sonhos idealizei
Não morro por ter tentado
Foi ilusão, sonhei.