quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Minha casa





Tenho uma casa no peito,
Que eu chamo de coração.
Vou ver se ela eu ajeito,
Pois precisa de arrumação.

Tem muita coisa jogada,
Tudo fora de lugar.
Preciso dar uma arrumada,
Para nela poder habitar.

Minhas lutas, minhas dores,
E algumas desilusões.
Algumas brigas e desamores,
Espalhados pelo chão.

Deste jeito não dá para ficar,
Acabo neles tropeçando.
O melhor é organizar,
devagar ir arrumando.

E cada coisa que pego,
É uma recordação que vem.
Dói as vezes, não nego,
E de algumas sou refém.

Minha casa é grande,
para todos tem  espaço.
Não precisa levar adiante,
O que foi inacabado.

Só preciso dar um jeito,
Nesta bagunça aqui dentro.
Decorar o que tem no peito,
Para de novo eu ter um centro.

2 comentários:

Aninha disse...

:)) ... * *
-

brisonmattos disse...

Sabe...eu tb adoro colocar as coisas no seu devido lugar. Odeio bagunça...e quer saber? Adoro as suas poesias também.