domingo, 23 de janeiro de 2011

Quem sou eu?

Eu sou nada.
Sou grão de poeira,
Perdido,no meio da estrada.

Sou gota no oceano.
Sou trapo,
Pedaço cortado de pano.

Sou um cisco no mundo.
Sou pária,
Sou vagabundo.

Sou pólen
que ninguém vê.
Sou dor, que dói de doer.

Sou raio de sol
Que uma nuvem rasga.
Sou grão que na garganta engasga.

Sou sujeira
que na unha encrava.
Sou ponta de uma estaca.

Sou nódoa,
Que gruda.
Sou água, que tudo inunda

Sou a pior e a melhor coisa.
Sou ser que nunca existiu.
Sou imagem que nunca partiu.

Sou marca,
Sou chão.
Sou carinho guardado no coração.

Um comentário:

brisonmattos disse...

que lindo o finalzinho! se tens tanto carinho, espalha-os pelas estradas reais da vida.Muito mais gente ia se deslumbrar com você.