segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Ao Mar

Escrevo ao mar,
Este amigo tão intenso.
Nele tantas vezes fui desabafar,
Contar um pouco meu lamento.

Obrigado por me ouvir,
E tanto minhas lágrimas lavar.
Obrigado por me permitir,
Um tanto assim em ti mergulhar.

Oras te encontrei bravio,
Murmurando sem parar.
Batias no que não via,
Espumavas sem cessar.

Sentado perto de ti,
Esperava tranquilamente.
No momento em quem me vias
Tornavas serenamente.

Amigo querido mar,
Tão gigante e profundo.
Obrigado por participar
Da vida deste ser miúdo.

Nenhum comentário: