quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Um amor maduro



Ah..... Um amor maduro, não há nada melhor.
É como fruta colhida no pé, no tempo certo, nem antes nem depois.
Colhida no exato momento de seu amadurecimento, com todos os seus doces, sabores, cheiros e cores que ela pode ter. No auge de todo o seu esplendor.
Assim é um amor maduro. Ele chega arrebatador, não pede licença, se instala com toda pompa, com toda segurança.
Você já teve um amor assim?
Não estou falando daquele amor que vem de longe, e com o tempo e a convivência foi amadurecendo. Não! Estou falando daquele amor que se encontra quando nós já estamos maduros, com as costas calejadas, sem paciência para muita coisa, já um tanto cansadas da vida, achando que a coisa está do jeito que está e que vai acabar assim.
Se você algum dia achou que isto é impossível de acontecer, reze, mas reze muito, com toda sua fé para encontrar algo semelhante.
É um redemoinho de emoções e sentimentos que você não consegue segurar.
É virar criança outra vez.
É não ter vergonha de sentar no chão da rua e brincar junto com o seu amor.
É não ter vergonha de chorar porque ele vai embora e você queria que ficasse mais um pouquinho.
É contar os segundos para o momento do encontro.
É uma vontade incontrolável de ser displicente e não ligar para o que os outros vão pensar.
É querer jogar tudo para o alto, sem pensar em como vai ser o amanhã.
É querer viver somente aqueles momentos tão raros de felicidade.
É querer ter o poder de eternizar o eternizável.
Parar o mundo.
Um amor maduro não tem cobranças, não tem hora, não tem tempo.
Não tem meu e nem seu, tem o nosso. Tem entrega, tem devoção, tem paixão, e esta entrega é feita de forma espontânea, voluntariosa. É feita sem saber se mais lá na frente vou me arrepender ou vou perder.
Um amor maduro é isto.
Se você fez, legal, mas e se não fez?
Qual importância ou peso a que esta falta terá no relacionamento? Que fator gravíssimo será usado no futuro como desculpa para eu também não fazer?
Em um amor maduro isto não existe.
Um amor maduro é isso.
Não faz, deixa acontecer.
Não obriga, deixa-se levar.
É um roçar de pele, um olhar, uma palavra, um silêncio, um carinho trocado sem obrigação.
É uma mão dada, um caminhar na calçada, uma cumplicidade sem fim.
Um amor maduro é ciente de si. É pleno em seus sentimentos, chega quase a ser platônico, pois se passa, às vezes, um grande tempo calado, só admirando a razão do seu amor.
Se por circunstâncias da vida este amor afastar-se um pouco, seja lá por que motivo for, não o prenda e nem se sinta abandonado, deixe-o ir. Talvez em algum outro tempo na história da vida a gente possa se cruzar novamente e ai quem sabe pode dar certo.
Em um amor maduro não se corre atrás de nada, pelo contrário, deixa-o solto, pois se ele voltar é porque era meu se não voltar é porque nunca o foi.
O grande problema de você achar isto tudo é não poder ficar com ele, então só restará à dor.

Um comentário:

Thai... disse...

Meu trecho preferido: "Um amor maduro é ciente de si. É pleno em seus sentimentos, chega quase a ser platônico, pois se passa, às vezes, um grande tempo calado, só admirando a razão do seu amor.
Se por circunstâncias da vida este amor afastar-se um pouco, seja lá por que motivo for, não o prenda e nem se sinta abandonado, deixe-o ir. Talvez em algum outro tempo na história da vida a gente possa se cruzar novamente e ai quem sabe pode dar certo.
Em um amor maduro não se corre atrás de nada, pelo contrário, deixa-o solto, pois se ele voltar é porque era meu se não voltar é porque nunca o foi."


Você sabe onde vende isso?? Esse tal de "amor maduro"?