domingo, 21 de setembro de 2008

De que vale

De que valem minhas poesias
sem uma alma gêmea para escutá-la.
De que valem minhas prosas
Sem você para colhê-las.
De que vale meu amor
Sem você para acalentá-lo.
De que vale toda a minha paixão
Se você está distante.

Nenhum comentário: