quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Ninguém sabe.

Ninguém sabe o que se passa na minha vida.
e possivelmente ninguém nunca saberá.
O quanto sofri,
o quanto magoei,
o quanto vivi,
o quanto amei,
o quanto sorri,
o quanto chorei.
o quanto de sapos engoli
e quantos por goelas abaixo enfiei.
Quantas saudades senti
e talvez quantas provoquei,
quantas pessoas socorri,
e a quantas prejudiquei,
o quanto dormi,
e o quanto sonhei.
É engraçado falar disto,
do quanto escrevi
e que só eu lerei,
o quanto parti
e quantas vezes voltei,
quantas luas vivi
e a quantos sóis me esquentei.
Quão de bobo assumi
e quantos risos provoquei,
o quanto me entreguei
a algumas almas gêmeas perdidas
e o quanto me dediquei
em busca de sonhos perdidos.
E assim segue a vida
Com nossos mistérios,
nossas fraquezas,
nossos sonhos e fantasias,
guardados em meu peito.
De uma coisa tenho certeza
te quero muito meu sonho,
te quero muito minha vida,
se eu não puder te ter totalmente hoje,
só por alguns minutos,
quem sabe amanhã,
ou depois,
ou depois de depois.
Sei que um dia haverá de chegar,
pois meus sonhos não são perdidos,
no máximo adiados.

Nenhum comentário: