quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Talvez





Talvez não seja tarde,
Talvez só seja cedo,
Talvez acabe o embate,
Talvez não tenha medo.

Talvez não tenha chuva,
Talvez só veja a noite.
Talvez acabe a luta,
Talvez não tenha açoite.

Talvez não tenha cura,
Talvez só seja vento.
Talvez acabe amargura,
Talvez não tenha tempo.

Talvez não morra mais,
Talvez só veja a luz.
Talvez acabe a paz,
Talvez não tenha a cruz.

Talvez não mais escreva,
Talvez só seja dengo.
Talvez acabe a cerveja,
Talvez não acabe capengo.

Talvez não tenha talvez,
Talvez só seja uma fuga.
Talvez acabe de vez,
Talvez não tenha rusga.

Um comentário:

brisonmattos disse...

Espero que seja dengo e que você nunca pare de escrever as suas coisinhas, mesmo aquelas que eu não gosto, porque talvez seja amor, talvez não seja.