sábado, 5 de janeiro de 2013

Incompleto

Não sou completo,
E nunca serei.
Sou mais um incerto,
E nunca serei rei.

Chega na vida um tempo,
Que se vão as amarras.
Somos soltos ao vento,
Voando como cigarras.

Cantando com o calor,
Anunciando mais um dia.
Depois de uma noite de amor,
Morre-se na nostalgia.

Guardar a todo custo,
Um segredo eterno.
Isto é algo tão injusto,
Não é algo tão moderno.

Está lacrado comigo,

E morrerá em minhas veias.
No caminho ao paraíso,
Não tem como se livrar das teias.

2 comentários:

brisonmattos disse...

E eu vivo te magoando.Desculpe-me por ontem. Fui insensível pra cacilds. Não sei porque eu tenho de dizer tudo o que eu penso assim na lata.
Acho que é por isso que eu vivo só.Não quero ninguém reclamando do meu lado, nem xingando, nem de baixo astral. Putz, como isso me Incomoda.Um beijo e que bom que voltou a escrever.Gosto muito de te ler...de um jeito ou outro.

Bandys disse...

Ninguem é completo, só as poesias que brilham em nossos olhos e nos completa.

beijos