sexta-feira, 24 de junho de 2011

Um Barco

O que era gigante,
Agora aplacou.
Não é mais como era antes,
Coração esvaziou.

Tantas fizestes,
Distribuindo ingratidão.
Deixou-me a boreste,
No sentido da navegação.

E deste novo angular,
Outras vista alcancei.
Encontrei um outro mar,
E por ele naveguei.

Um mar de calmaria,
Um mar de exatidão.
Um mar sem muita magia,
Mas um mar sem preocupação.

Prefiro navegar a leve brisa,
Do que vento forte enfrentar.
A idade já não prioriza,
Tanta energia gastar.

O barco já está gasto,
De tantas tempestades combater.
Já não ando, me arrasto,
Tentando o rumo manter.

Só quero agora encontrar,
Um porto que me acolha.
Para poder ancorar,
E viver o resto da vida tola.

Quando lá chegar,
As cracas arrancarei.
Com o casco limpo, pintar
Achando que me renovei.

Velho barco navegante,
Já é hora de parar.
Desligar este motor roncante,
E parar de navegar.

Deixe a ferrugem comer,
O que resta da estrutura.
Nem adianta combater,
Aceite com ternura.

O fim é chegado,
Para todos nós um dia.
O tempo do barco é passado
E ele o viveu com alegria.

Nenhum comentário: