sábado, 18 de junho de 2011

Todos Iguais

Todo mundo agora é gente,
o “para sempre” não existe mais.
Não tem mais ninguém diferente,
agora todos são iguais.

A quem tanto adorava,
o tempo levou.
E o que sobrou nesta estrada,
o vento arrastou.

Acabou “meu anjo”,
acabou “meu amor “.
Agora vou ver se me arranjo,
carregando vazio andor.

Meu bem eu quero te dizer,
de coração, muito obrigado.
Por um dia na vida ter,
este grande amor me mostrado.

Fica o vazio deixado,
em um peito antes cheio.
E todo amor derramado,
agora é devaneio.

Fica o sonho
do que passou.
Fica o amargo fel
do que sobrou.

Todos agora são iguais,
não há mais distinção.
Somente tu prevalece
guardada com paixão.


Me acostumarei com o vazio.
Me acostumarei com a solidão.
Um dia quem sabe no frio,
A lembrança aqueça meu coração.

Nenhum comentário: