sexta-feira, 11 de março de 2011

Ruínas

Uma parte morreu.
Não sei como foi isso.
Parece que se esqueceu,
O caminho do paraíso.

Como foi acontecer
Tamanha incongruência.
Vou enlouquecer!
Morar talvez, na decadência.

Não suporto mais
Viver na inocência.
Lembrar que tempos atrás
Tudo era só essência.

A vida perde sentido.
É viver no escondido.
A falta de compromisso,
Com o que era proibido.

Agüentar,
e nada mais poder fazer.
Suportar,
E tentar entender.

Tudo tem seu tempo.
Tudo tem sua hora.
Todo contentamento
um dia vai embora.

2 comentários:

Renata Boechat disse...

Uai, voltou do paraíso? Que bom!

Déya disse...

Identifico me...

beiJO
Andréya..