segunda-feira, 15 de junho de 2015

Sou Humano




Sou humano não poeta,
Para passar por esta dor.
Que agora  me aperta,
Como garra de condor.

Sou poeta não humano,
Para sentir no coração.
Esta falta desumana,
provocado pelo não.

É ter de ficar mudo,
De ficar sempre a sonhar.
De ser o pior dos vagabundos,
E pensar em me matar.

Por causa de um amor,
Muito louco que não acaba.
Que no mundo plantou dor,
Uma dor que me arrasa.





2 comentários:

brisonmattos disse...

Não é amor se planta dor. Mas é poesia e algumas melancólicas eu gosto.

Poesias de Serena disse...

E essa dor sempre a nos maltratar e ainda assim, não desistimos nunca de amar. Assim é a vida. Belo poema Older. Adorei!
Um abraço.
Serena.