sábado, 18 de abril de 2015

Num canto de pássaro





Nada mais pode ser visto
Somente como palavra
De sonhos agora me visto
Para  minha musa encantada

De azul se faz o entardecer
Por entre montanhas mais altas
E este meu grande querer
Se perde em promessas falsas

As palavras antes escritas
Não passavam de mera ilusão
Ficaram como marcas perdidas
Na alma de um coração

O vento continua passando
Assoviando por entre as frestas
Movendo as páginas cantando
Como se ainda estivesse na festa

O grande baile acabou
Só sua marca que sobra
A solidão frequente  murchou
Tudo o que me resta de volta

Na calçada ficam passos
Juntando com a sombra que vem
Me enrolo nas cordas dos laços
Sou preso, mas que refém

Um pássaro pia solene
Espantando a quem  se vai
O amor que era perene
Num canto de pássaro sai

Um comentário:

brisonmattos disse...

Se vc esperar outro dia nascer
Vai notar meio que sem esperar
Quando o sol se fazer aparecer
Que o passarinho está de novo a cantar

E que seja pra sempre assim nossos dias...Acreditando que tudo valeu a pena.